TV GC

Saúde alerta para aceleração descontrolada do vírus e chegada do inverno no Sul

O último balanço sobre o número de mortes e casos confirmados do novo coronavírus no Brasil, soma 432 óbitos e mais de 10 mil infectados

Pandemia - 06/04/2020 15:27

Foto: Marcello Casal Jr / Agência Brasil / CP


Sem a presença do ministro Luiz Henrique Mandetta, o Ministério da Saúde divulgou, neste sábado, o último balanço sobre o número de mortes e casos confirmados do novo coronavírus no Brasil, que soma 432 óbitos e mais de 10 mil infectados.

Conforme o secretário-executivo da pasta, João Gabbardo dos Reis, Distrito Federal, São Paulo, Rio de Janeiro, Ceará e Amazonas passarão pela fase de aceleração descontrolada do Covid-19 nos próximos dias.

O motivo é pela alta demanda de viagens internacionais que estes estados recebem - de pessoas que viajam para o exterior e de quem chega.

Gabbardo dos Reis também alertou que os estados do Sul - Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul - podem ser os próximos a passarem pela aceleração descontrolada quando o inverno chegar.

"Vão começar apresentar número maior de casos e nos preocupará. Poderemos transferir médicos para áreas que haja maior necessidade", comentou. O Ministério divide a pandemia em quatro fases epidêmicas: epidemia localizada, aceleração descontrolada, desaceleração e controle.

Segundo Reis, Distrito Federal, São Paulo, Rio de Janeiro, Ceará e Amazonas estão se preparando com novos leitos, remanejamento de leitos, reduzindo cirurgias, criando critérios de entrada e saídas de leitos, e adquirindo Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) para poder atender esta próxima fase.

Contato com o vírus é uma questão de tempo

João Gabbardo dos Reis destacou que mesmo com todas as formas de prevenção, todos terão contato com o novo coronavírus.

"O dia em que sairmos da nossa bolha, todos vamos ter contato com o Covid-19. É uma questão de tempo. O que a gente espera é que a transmissão ocorra numa velocidade baixa para que o nosso sistema de saúde possa dar conta do número de pessoas doentes", reforçou.

Ele falou que a redução de casos de Covid-19 só vai acontecer se todos nós tivermos sido vacinados ou com a imunidade natural, que a pessoa adquire com o tempo.

"Os idosos vão ficar imunes a vida toda? Não. Quando eles forem para a rua, eles vão ficar doentes. O que queremos evitar é que todos fiquem doentes ao mesmo tempo. Mais adiante, se ganharmos tempo, vamos ter um tratamento ou uma vacina. Isso seria o mundo ideal", completou.

Ele também salientou que o Brasil teve "sorte", em comparação a outros países como Itália, Espanha e Estados Unidos, pois teve tempo para se preparar para se proteger contra a pandemia. "Ninguém se preparou como o Brasil. Tivemos tempo para isso", argumentou.

"Passaporte de imunidade"

Segundo Gabbardo, o Ministério da Saúde pensa em formas de criar uma espécie de “passaporte da imunidade”, uma identificação para pessoas que contraíram o novo coronavírus, se recuperaram totalmente e já possuem anticorpos. Essas pessoas, segundo o secretário, não podem mais transmitir ou ser infectadas, e já adquiriram imunidade. Elas podem ser úteis no contato com grupos sensíveis, como idosos, e possivelmente são aptas a retomar certas atividades.

O secretário falou sobre a doação de testes que a pasta recebeu para diagnóstico da Covid-19. "O mundo está correndo atrás de testes. O Ministério da Saúde recebeu uma doação grande, mas precisam ser aprovadas pelo nosso instituto. Estamos trabalhando para ampliação e aplicação tanto de testes rápidos quanto para o RT-PCR, que é o mais adequado para identificação de quem é que está com a doença", explicou.

Reis também achou positiva a isenção de impostos que o presidente Jair Bolsonaro prometeu dar para zinco e vitamina "D" para combater Covid-19. "Mesmo que não tenhamos uma comprovação científica, é uma coisa boa para o futuro. Os hospitais utilizam isso em casos graves e o fato é bom para o sistema de saúde, para os hospitais privados, para todos nós."

Cidades sem casos

O secretário afirmou, ainda, que fechar cidades ou municípios que não contabilizam nenhum caso do novo coronavírus pode ser “uma medida excessiva”. “Não significa que vai ficar assim para sempre. Podemos fechar, abrir, se julgar necessário. Acho que isso merece uma discussão. Pode ser que tenha sido antes da hora, e merece uma análise melhor”, afirmou.

Gabbardo citou, entretanto, que o relaxamento da quarentena e do isolamento social deve acontecer apenas após a aquisição de material suficiente para lidar com uma larga escala da população. "Já estamos fortes, mas queremos ficar mais fortes ainda", concluiu.

Ausência de Mandetta

A ausência do ministro foi justificada pelo fato de que outros ministros do governo não estariam presentes na coletiva e também para que Mandetta pudesse descansar.

Fonte: Rádio Porto Feliz
Envie suas sugestões de pauta para a redação
WhatsApp Business EXPRESSO D'OESTE (49) 99819 9356

Mais notícias