TV GC

Especial colono e motorista

“Tenho certeza de muita gente está valorizando mais os pequenos momentos”

Colono e Motorista - 25/07/2020 08:33 (atualizado em 25/07/2020 09:56)
Carregando Vídeo

Na entrevista especial de hoje, em homenagem ao Colono e Motorista, nossa reportagem conversou com o caminhoneiro, Thiago Ismael Alba, que comentou sobre os desafios que tem enfrentado na estrada, diante da pandemia

O Covid 19, conhecido popularmente como Coronavírus,  invadiu nossos lares sem pedir permissão, e exigiu, que o mundo parasse para lutar pela sobrevivência. No entanto, embora o toque de recolher tenha tornado o dia a dia de muitas pessoas mais seguro, há aquelas classes consideradas essenciais, que não tiveram essa opção. Na entrevista especial de hoje, em homenagem ao Colono e Motorista, nossa reportagem conversou com o caminhoneiro, Thiago Ismael Alba, que comentou sobre os desafios que tem enfrentado na estrada. “Quando essa pandemia do coronavírus iniciou, eu estava na estrada, a gente faz muito o Nordeste, e quando isso começou eu estava no Maranhão. Foi muito triste, porque tudo começou fechar e as pessoas começaram e ter preconceito com a gente, pelo fato de estarmos de cidade a cidade”, recorda.

Conforme Alba, assim que ele voltou para Maravilha, que é a cidade onde ele reside atualmente, teve receio de ir para casa. “Eu tenho uma filha pequena, então com muito receio, eu nem voltei para casa naquele primeiro instante, passei direto. Eu não podia colocar minha família em risco”, enfatiza.


AS DIFICULDADES ENFRETADAS

De acordo com o caminhoneiro, para as pessoas que trabalham na estrada, no início ficou muito complicado, muitos lugares como restaurantes e hotéis fecharam. “Foi complicado, as pessoas tinham medo da gente, entregavam a comida pela janelinha, achando que a gente fosse passar o vírus pra elas. Eu sei que estávamos expostos, mas se a gente parasse, o país ia ficar sem recurso, sem mantimentos, e não podemos deixar isso acontecer”, ressalta. Segundo Alba, o maior medo que ele enfrenta, é ter os sintomas ou contrair o vírus e estar longe de casa. “Meu maior medo é ter os sintomas e estar longe da minha família ou da minha casa. Longe de casa, se você precisar ficar internado em um hospital, você vai estar sozinho, se acontecer algo grave, talvez nem vai ser possível de alguém estar ali com você”, afirma.

Segundo o caminhoneiro, a empresa para a qual ele trabalha, passou informações e procedimentos, para evitar contaminações pelo Covid-19, mas mesmo assim, diante de todas as medidas, o medo é inevitável. “Eu trabalho para uma firma de Descanso – SC. Eles nos passaram procedimentos de prevenção, como uso do álcool em gel e da máscara, e caso você sinta algum sintoma, nós devemos procurar auxílio médico. Graças a Deus até hoje eu não tive problema com isso, não tive nenhum sintoma estou sempre me cuidando. E com toda essa expansão da pandemia, tenho certeza de muita gente está valorizando mais, os pequenos momentos, principalmente de poder estra com a nossa família e amigos, e de poder passear com nossos filhos”, finaliza.


Foto: Ana Paula Costa - Segundo Alba, o maior medo que ele enfrenta, é ter os sintomas ou contrair o vírus e estar longe de casa.
Fonte: Redação jornal Expresso d'Oeste
Envie suas sugestões de pauta para a redação
WhatsApp Business EXPRESSO D'OESTE (49) 99819 9356

Mais notícias